Memórias

Nunca antes eu pensei que estaria afastado do ambiente acadêmico de uma universidade. Eu me vejo no futuro numa sala de aula, podendo contribuir com a formação acadêmica e humana de vários brasileiros e brasileiras. Eis que 2020 chegou, após 3 meses de férias do meu primeiro ano na UnB, a pandemia chegou e com ela, após quase dois anos, infelizmente mais de 605 mil irmãos e irmãs perderam suas vidas, que poderiam ter sido evitadas se tivéssemos um governo consciente da gravidade da situação, norteado pela ciência e, sobretudo, humano.

Me lembro bem da semana em que nossas aulas foram suspensas, íamos à Câmara dos Deputados comemorar, no dia 12 de março de 2020 , o dia do bibliotecário, não aconteceu. Com a pandemia, o convívio social de todos foi drasticamente alterado, e comigo não foi diferente, deixei de poder presencialmente ver meus amigos, conhecer novas pessoas, novos laços… O isolamento social foi indispensável para diminuir o contagio e dar tempo para os hospitais se prepararem; e pensar que ao ficar em casa durante as partes mais complicadas da pandemia ajudou nesse contexto de menor transmissibilidade me deixa aliviado, pois diferente do presidente, não contribui para o agravamento dessa crise que persiste até hoje.

Ainda assim, a falta do convívio foi dura. Andando recentemente pela UnB fiquei recordando os momentos que vivenciei nessa universidade e decidi fazer, provocado pela matéria de Editoração, uma exposição que rememorasse os momentos legais e corriqueiros que tive por aqui, no desejo por mais momentos com meus amigos, professores e colegas, por novas experiências e vivencias.

A exposição se baseia em um conjunto de 30 fotos tiradas durante uma caminhada pelos espaços da UnB. A decisão por fazer as fotos em preto e branco e por adicionar tons amarelados a algumas advém da vontade de gerar maior expressividade e sentimentos. A narrativa que conecta as fotografias se dá através das memórias de eventos que aconteceram em momentos diferentes do ano de 2019, sem qualquer tipo de linearidade, dessa forma a navegação pela exposição é totalmente livre que qualquer roteiro ou ordem.

Espero que ao ver essas fotografias você se sinta imbuído a pensar e rememorar, assim como eu, momentos que viveu nessa nossa grande casa. Espero também que uma infinidade de outros momentos, tão bons quanto, aconteçam e preencham nossas vidas. Quem sabe não nos vemos pelos caminhos da UnB? Até lá, ficamos com as memórias.

Ficha técnica

Curadoria: Rodrigo Freire

Fotografia da exposição: Rodrigo Freire

Montagem, produção e edição da página: Suelane Silva e Rodrigo Freire